Pedi demissão. Segue o baile

03/09/2018
a imagem mostra uma estrada com a luz do sol ao fundo e pode se ler a palavra Start no início

Olá, pessoas. Tudo bem? Espero sinceramente que sim!

Pedi demissão da agência que trabalhei por quase quatro anos, e quer saber? Tô feliz!

Feliz porque finalmente colocarei em prática tudo que venho planejando há mais de um ano (com mais afinco depois que tive um transtorno de ansiedade devido ao estresse). Juntei um capital para isso, estudei, consultei pessoas e percebi que agora é a minha vez de agir.

Sempre apareceram boas propostas e sempre dava a mesma resposta: “Quando eu ficar de férias vou ter mais tempo, aí a gente vê isso!“, mas chegava as férias e eu só pensava em fazer nada que tivesse relação com trabalho. Esse dias acabaram 🙂

O primeiro passo

Para início de conversa, precisei me desligar do emprego que tomava a maior parte do meu tempo. Só no trânsito, perdia pelo menos quatro horas diárias (isso com trânsito normal, imagina quando aconteciam imprevistos). Trabalhava dois dias na semana home office, e me livrar do trânsito infernal era um alívio, mas eu sou uma profissional que rendo muito trabalhando remotamente. Resultado: trabalhava mais horas em casa do que na agência (muitas vezes esquecendo até de almoçar!).

E agora?

Estou animada com a mudança. Vou continuar trabalhando com o que mais gosto e procurar ter mais qualidade de vida. Posso virar noites trabalhando em algum projeto legal (sim, eu amo trabalhar e, quando me empolgo, me dedico 100%), mas quero ter a autonomia de acordar em uma manhã qualquer e falar para mim mesma: — “hoje eu não vou trabalhar” — e ficar tudo bem. Voltarei a ter tempo para frequentar eventos sobre design durante a semana (a maioria deles sempre acontecem no meio da semana) e fazer networking (os cartões de visita já estão prontos!). Designer não deve ficar socado(a) na frente de um computador dentro de um escritório. Trabalhar no computador é uma parte do processo, mas isso é assunto para um outro post 😉

Se estou aberta a propostas? Sempre! Voltaria a trabalhar em uma agência? Claro que sim, mas, no momento, quero dar outro foco e direção a minha carreira profissional e que, consequentemente, vai causar um impacto na minha vida pessoal, creio que de uma forma bem mais positiva.

Alguns vão pensar que estou louca, mas como bem disse Flávio Augusto: “Se te chamarem de louco, é porque você está no caminho certo”.

É isso. Que Deus me ajude! Vamos que vamos e segue o baile!

Cya!